Goosebumps: Monstros e Arrepios


Por Alice Lapertosa

Goosebumps é uma série de livros de terror lançados entre 1992 e 1997. São mais de sessenta volumes, sendo que nem todos foram publicados no Brasil. Aqui, a série ficou mais conhecida por sua adaptação para TV que passava na extinta Fox Kids. Sua versão para o cinema tem direção de Rob Letterman e Jack Black (“Escola de Rock”) no papel do próprio escritor dos livros, R.L. Stine. Letterman e Black já haviam trabalhado juntos em “As viagens de Gulliver”, de 2010.

A história começa quando Zach (Dyllan Minnette) e sua mãe (Amy Ryan) mudam-se para uma cidadezinha do interior onde Gale aceitou o emprego de vice-diretora numa escola local. Já no primeiro dia o menino se interessa pela casa ao lado, onde moram seus estranhos vizinhos. Hannah (Odeya Green, de “A Estranha Vida de Timothy Green”) é uma menina que estuda em casa e não pode sair ou falar com as outras pessoas exceto seu pai. Certo dia, ela se esgueira pela cerca e leva Zach para conhecer um parque de diversões abandonado. Lá, conta a ele que a mãe morreu e ela e o pai estão constantemente mudando e evitando contato social.

Intrigado, Zach pede ajuda ao amigo Champ (Ryan Lee, de “Super 8”) para investigar a casa. Eles descobrem uma coleção de livros de terror que, quando abertos, tornam seus monstros reais. Daí todo o mistério envolvendo o pai da menina, que decidiu proteger os livros e evitar que qualquer acidente aconteça se forem abertos, mas a situação sai do controle e a cidade toda é dominada por um inseto gigante, soldados que congelam gente, zumbis, um homem invisível, gnomos malvados e um boneco ressentido que desaparece quando quer.

Embora Odeya Rush não tenha uma má atuação, Hannah e Zach são uma dupla sem sal. Já Jack Black está espetacular, lembrando um pouco Jack Nicholson no “Iluminado” (piada que aliás o filme tenta fazer e se perde). Ele e os coadjuvantes são a grande sustentação do longa: Ryan Lee como “Champ” Champion (quem tem um nome desses e usa uma camisa com os dizeres “esse garoto é legal?!”), a destrambelhada Lorraine (Jilliam Bell) e o par de policiais incrivelmente desprovidos de noção. Já a casa em si não tem tanta graça ou parece assustadora, decepciona bastante, assim como os monstrengos. O que talvez não seja grande problema, já que Goosebumps também é destinado ao público infantil.

A questão do escritor solitário cuja saída foi criar um mundo imaginário – que posteriormente se volta contra ele – é bastante interessante, inclusive a relação de Hannah com tudo isso. O final – que não é bem um fim – também ficou bom, a maioria das histórias, bem ou mal, termina. Não Goosebumps, como cita Stine em sua aula de literatura: “as histórias têm três partes: começo, meio e a reviravolta.”

6/10

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s